Diários de estágio

Não entendo como é que há tantas raparigas cada vez mais novas a aparecerem grávidas no hospital, hoje nas urgências foram duas, vinte e um e vinte e dois anos já com crianças em casa e uma no ventre. Com tanta informação, tanto acesso a planeamentos familiares, a contracepção muitas vezes dada gratuitamente nos centro de saúde e ainda assim, senhores. E depois vêm com o ar de aborrecimento de quem está à espera do autocarro que não passa, como se tudo aquilo fosse suposto e banal, fartas das dores e do peso que a criança desfere no corpo e na consciência, Pff, isto é só o nenuco que os papás deram no natal, mas não é. A pena que eu tenho desses rebentos que ainda crescem na ignorância do mundo em que os meteram.

1 comentário:

  1. essas situações afligem-me muito. a responsabilidade de gerar um ser no mundo é gigante, há que carregá-la todos os dias, temos que lhes dar o melhor do mundo, não o mundo todo porque há tanta porcaria por aí. custa-me saber que essas crianças vão ter que ganhar asas cedo demais, viver precocemente, ou que vão, simplesmente, perder-se. e a indiferença dos pais, o é mais um. isto não devia ser tolerável numa sociedade como a dos dias de hoje.

    ResponderEliminar