Os biscoitos de canela e noz

Agora somos dois na caixinha dos biscoitos. Dois biscoitos de canela e noz, em tempos passados nos ares da amargura, pensando-se secos e sem sabor, insípidos ao gosto que qualquer boca. E se calhar tudo começou por consequência disso, por já não sabermos o que éramos, se um bolinho viçoso e merecedor de ser cuidado numa embalagem forrada a carinho e beijos, se apenas um monte de migalhas mal unidas, quebradiças de tanto tempo a cozer no forno, de base queimada e sem sustento. Agora tenho sustento, desde que me és. As migalhas já não estão soltas, o cheiro a canela ganha vida a cada dia que passa, é a felicidade a brotar dos minúsculos poros da farinha-terra. Somos amor, confiança e respeito, e ainda bem que assim é, ou o sustento da base queimada já não seria tão sustento assim. Não há nada que me deixe de sorriso mais cheio do que poder partilhar a mesma caixa em coração contigo, a mesma vida de bolinho gourmet, a quem nem as dentadas do olhos são capazes de levar bela essência. Se as rochas e lamas malignas que se me atravessaram à frente foram só para te chegar, então não lhes chamo rochas e lamas, são só irregularidades do caminho. Estrelas cadentes o tanas, amor é biscoitos de canela e noz.

2 comentários:

  1. pequena nota: os biscoitos de canela e noz são os melhores, mesmo!

    ResponderEliminar